top of page
BLOG (2).png

TUDO SOBRE LEILÕES JUDICIAIS

Nosso blog tem como objetivo elucidar suas dúvidas sobre como participar de leilões de forma segura, transparente e ágil. Criaremos conteúdos exclusivos com dicas, informações, passo-a passos e as novidades sobre o mercado de leilões.

  • Foto do escritorRafael Sapka

Quando um imóvel vai a leilão judicial? Entenda

Compreenda as causas que levam um imóvel a ser leiloado judicialmente e saiba como aproveitar as oportunidades de investimento com segurança e eficiência.

Confira o vídeo que disponibilizamos no nosso canal do YouTube com tudo o que você precisa saber sobre A diferença entre Leilão Judicial e Extrajudicial. Comprar um imóvel em leilão pode ser uma opção vantajosa, conforme já abordamos aqui no blog. Entretanto, é fundamental entender os motivos que levam um imóvel a ir para um arremate.

Conhecer esse assunto é de suma importância se você estiver cogitando investir em um leilão, seja para realizar o sonho da casa própria ou mesmo aumentar o seu patrimônio.

Pensando nessa dúvida, muito comum entre os novos investidores, a D1LANCE criou este artigo para que você entenda de onde vem os imóveis que são disponibilizados em um leilão judicial. Confira!

1- Expropriação de bens e penhora

A expropriação de bens acontece quando em um processo de cobrança, o devedor(a) não paga a dívida dentro do prazo estabelecido pela lei.

Nesse caso, a justiça força o pagamento em questão, através da penhora de bens e do bloqueio do patrimônio que encontra-se em nome do devedor.

Caso o devedor tenha algum imóvel registrado em seu nome, a justiça pode penhorar este bem e fazer com que o leilão judicial aconteça, sendo certo que o valor arrecadado será usado para pagar as dívidas do então proprietário.

A expropriação de bens é mais comum em dívidas como pagamento de pensão, rescisão de contratos ou pagamento de indenizações, por exemplo.

2- Atrasos no financiamento do imóvel

Um imóvel também pode ser colocado em leilão mesmo que ainda não tenha sido totalmente quitado, que é o caso do financiamento habitacional. Este é o caso do leilão extrajudicial.

Existem casos em que o futuro proprietário deixa de pagar as parcelas acordadas, o que leva a construtora ou o banco financiador a encontrar caminhos para não ficar no prejuízo, e uma das possibilidades é essa.

Além disso, é importante saber que a lei brasileira permite que o imóvel pertença ao banco financiador até que o financiamento seja totalmente quitado.

Logo, é preciso tomar cuidado e arcar com as prestações, evitando atrasos nas parcelas do imóvel.

3- Dívidas Trabalhistas

As dívidas trabalhistas são inegociáveis, então, caso o proprietário não queira quitá-las, a justiça trabalhista pode penhorar o imóvel como garantia.

No entanto, este processo é mais comum de atingir empresários e comerciantes que encontram-se à beira da falência.

4- Falência

Na hipótese de falência, uma das alternativas da justiça é bloquear os bens e imóveis do indivíduo para garantir o pagamento das suas respectivas dívidas.

Além de imóveis, diversos equipamentos, tais como máquinas e automóveis, também podem ir para o leilão, no caso da falência envolver o proprietário de uma empresa.

De modo geral, essas são as causas mais comuns para que a justiça permita a realização do leilão judicial de imóveis.

A D1LANCE é uma empresa líder em leilões, com vasta experiência no setor imobiliário. Estamos preparados para ajudá-lo a descobrir o imóvel perfeito em leilão judicial, ideal para o seu próximo investimento.

Nossa missão é apoiar quem deseja realizar o sonho da casa própria por meio de leilões judiciais de imóveis, fornecendo todo o conhecimento e segurança necessários para assegurar a conquista do bem arrematado.

Conte com a D1 para fazer o melhor negócio!

Entre em contato conosco agora mesmo pelo Whatsapp, esclareça todas as suas dúvidas e garanta uma experiência excepcional em sua próxima aquisição imobiliária!




621 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Komentarze

Oceniono na 0 z 5 gwiazdek.
Nie ma jeszcze ocen

Oceń
bottom of page